Pages Menu
TwitterFacebook
Categories Menu

Posted by in Especial | 0 comments

Artigo 2/5: Conteúdo, a matéria-prima do Content Marketing

Artigo 2/5: Conteúdo, a matéria-prima do Content Marketing


Falar com o público não se limita mais a comunicar promoções e preços; em uma época de conectividade e interatividade entre marca e cliente, é preciso produzir material de qualidade e interesse que demonstre valores e crie uma real conexão entre ambas as partes

Por Fábio Becker


Se entre jornalistas, publicitários e profissionais de marketing já é batido falar que a comunicação se transformou com a digitalização, a realidade mostra que, talvez pela repentina e ágil guinada, a forma de informar e relacionar-se com o público ainda é um obstáculo que muitas empresas possuem dificuldade em saltar.

A essência da comunicação é a interação entre locutor e receptor, e ela só flui quando a mensagem chega ao segundo, de acordo com as expectativas do primeiro. Como constata o pesquisador Gerhard Wiebe, em suas pesquisas sobre a cultura de massa, comunicar-se é um processo complicado mesmo entre amigos e familiares, mas, obviamente, os “problemas se multiplicam quando a familiaridade entre o realizador e o recebedor diminui.”

Desta forma, e diante do cenário digital, marca pulsante e simbiótica da contemporaneidade, a produção de conteúdo necessita ser estratégica e pontual. Como demonstrado em consenso entre os participantes do Content Marketing Brasil 2015, é necessário fazermo-nos algumas perguntas: qual o objetivo da mensagem? O que criar e como fazê-lo? A quem nos direcionamos? Como distribuir informação?

Mensagem e objetivo: Prestação de serviço ou promoção?

Folder, outdoor, panfleto, venda, venda, venda! Foi-se o tempo da publicidade tradicional. Já não se ganha o público por promoções, mas sim pela familiaridade. O emocional conta mais que o bolso; a qualidade mais que a quantidade. O Content Marketing traça estratégias onde o conteúdo torna-se ferramenta elemental de aproximação e conversação. Como aponta o escritor Mark Schaeffer (foto abaixo), autor de cinco best-sellers, é preciso oferecer ao cliente informações de seu real interesse. “As pessoas estão cansadas de propaganda. Elas buscam soluções e entretenimento. Focar na venda fará elas fugirem”, aponta.

É mais fácil escrever sobre o que se vive; é valoroso trabalhar com o que se gosta. Da mesma forma, é lógico deduzir que o conteúdo é mais verdadeiro e, consequentemente, melhor aceito quando carrega em si sentimentos reais. De acordo com a CEO da Brain Traffic, Kristina Halvorson é necessário criar uma conexão emocional sincera entre marca e público. “Não fale sobre o que você é ou vende. Expresse suas paixões”, explana.

Como destaca o palestrante do TEDx e diretor da Miles Design, Josh Miles (foto abaixo), o internauta não segue a marca só pelos produtos, mas pela utilidade de seu conteúdo.

Se o cliente acredita em seus valores e encontra na marca uma representação desses, basta que os produtores permaneçam  atualizados e apaixonados com o que fazem para a harmonia estabelecer-se. Apesar de manter uma periodicidade, o principal é focar na qualidade do conteúdo. Qualquer um pode escrever, fotografar, filmar, mas um bom jornalista é aquele que se aprofunda, que pesquisa e inova. É preciso buscar dados, especialistas, fontes externas para enriquecer o assunto apresentado. Qualidade, valor, e amor, são assim, elementos essenciais na produção de conteúdo e na transmissão de mensagens.

Para quem produzimos?

“Se o seu conteúdo for para todas pessoas, ele não é para nenhuma pessoa.”

A certeira frase de Joe Pulizzi (foto acima), considerado como o papa do Content Marketing mundial, nos convida a pensar a produção de conteúdo. Se outrora a mídia tinha o poder de pautar a conversa do público, hoje, com a interatividade e instantaneidade da internet e das redes sociais, é o próprio espectador que molda suas preferências. Mais que nunca o jornalista necessita segmentar seu material e aprofundar-se nesse. É impossível abraçar o mundo.

Mais que produzir acerca do que se gosta, é preciso identificar os gostos do cliente para que a conexão não tenha ruídos. Como em um jogo de xadrez, a estratégia merece mais atenção que a ação. O objetivo vem antes da produção. É preciso, antes que tudo, delimitar o público e a partir desse conduzir a linha editorial das publicações.

Entre as inúmeras estratégias para identificação do público destaca-se, por exemplo, a buyer persona, tática de reconhecimento do cliente e de seus gostos. Trata-se de uma pesquisa aprofundada e com foco qualitativo, em detrimento dos arcaicos formulários quantitativos, como bem destaca Emilia Chagas (foto abaixo), da Contentools. “A empresa precisa conhecer o dia a dia, os hobbies, os sonhos, o que move as pessoas. É preciso ser qualitativo. Saber que meu público tem entre 30 e 35 anos, e é homem, é muito superficial.” A qualidade sobrepõe a quantidade. O menos é mais.

Distribuição

Youtube, Facebook, Twitter, Vimeo, Linkedin, Instagram; Vídeo, áudio, escrita, fotografia. Que o mercado necessita de profissionais multímidia não é novidade alguma, no entanto em meio a confusão de ferramentas e possibilidades de produção, o jornalista necessita pensar também em que ferramentas se adequam melhor a sua demanda. Como diz Mark Schaeffer “agora há tanto conteúdo que temos que focar em estratégias”.

Se o mercado se abre para à segmentação do conteúdo, na contramão a produção desse se dá pelas mãos de um profissional multifacetado. É necessário entender o mínimo sobre todas as mídias. A internet é multimídia, e a diversidade do público demanda uma produção pensada para as diferentes frentes.

Como afirma  o diretor de Content Marketing da Tracto, Cassio Politi, a “produção de conteúdo vem antes da ferramenta prática.” Após produzir é necessário perguntar-nos como melhor distribuir essa informação, que meios são utilizados pelo público ao qual nos direcionamos, e que formatos temos a capacidade de produzir. A boa comunicação é resultado de uma combinação de conteúdo de qualidade, periodicidade, custos e distribuição adequada.

 

Está gostando da Revista Live?

Então assine nosso conteúdo e receba por e-mail nossas atualizações.

Assinatura concluída com sucesso!

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This